Sobre a Concentração Nacional de Trabalhadores Científicos em dia de discussão de Orçamento de Estado


No pas­sa­do dia 14 de Novembro, cen­te­nas de tra­ba­lha­do­res ci­en­tí­fi­cos vin­dos de vá­ri­os pon­tos do país res­pon­de­ram ao ape­lo da ABIC e com­pa­re­ce­ram jun­to à Assembleia da República em lu­ta con­tra a pre­ca­ri­e­da­de que se per­pe­tua no Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SCTN). No dia em que o mi­nis­tro Manuel Heitor es­te­ve pre­sen­te no par­la­men­to no âm­bi­to da dis­cus­são do Orçamento do Estado pa­ra 2018, os in­ves­ti­ga­do­res fo­ram cla­ros nas su­as rei­vin­di­ca­ções: atu­a­li­za­ção do va­lor das bol­sas e a re­po­si­ção dos sub­sí­di­os re­ti­ra­dos na le­gis­la­tu­ra an­te­ri­or; a apli­ca­ção ple­na e efe­ti­va da Lei 57/​2017; a re­gu­la­ri­za­ção de vín­cu­los pre­cá­ri­os e in­te­gra­ção re­gu­lar de in­ves­ti­ga­do­res no SCTN; a re­vo­ga­ção do Estatuto do Bolseiro de Investigação; opor­tu­ni­da­des e con­tra­ta­ções pa­ra os re­cém-dou­to­ra­dos. A con­cen­tra­ção foi ain­da mar­ca­da pe­las in­ter­ven­ções de vá­ri­os tra­ba­lha­do­res ci­en­tí­fi­cos pre­sen­tes e re­pre­sen­tan­tes das entidades.

No pa­no­ra­ma atu­al, os pro­ble­mas dos in­ves­ti­ga­do­res con­ti­nu­am à es­pe­ra de re­so­lu­ção, en­quan­to as ins­ti­tui­ções, a FCT e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior pro­cu­ram des­res­pon­sa­bi­li­zar-se fa­ce à con­cre­ti­za­ção de me­di­das. Continuamos a la­men­tar a fal­ta de von­ta­de po­lí­ti­ca de al­guns dos in­ter­ve­ni­en­tes – no­me­a­da­men­te de di­ri­gen­tes das ins­ti­tui­ções de Ensino Superior, mas dos quais não ex­cluí­mos o atu­al mi­nis­tro – pa­ra dar res­pos­ta às di­fi­cul­da­des sen­ti­das por aque­les que ga­ran­tem a ex­ce­lên­cia da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca no nos­so país.

A ABIC saú­da to­dos aque­les que es­ti­ve­ram pre­sen­tes e as­su­me a im­por­tân­cia que es­ta ação de­sem­pe­nhou ao mos­trar a re­a­li­da­de em que vi­vem os in­ves­ti­ga­do­res, tra­ba­lhan­do anos a fio sem di­rei­tos. Saíram re­for­ça­das as cau­sas pe­las quais lu­ta­mos e que pre­ci­sam de ser con­cre­ti­za­das, com ur­gên­cia, fa­ce ao im­pas­se com que se de­pa­ram os tra­ba­lha­do­res ci­en­tí­fi­cos em Portugal. A mo­bi­li­za­ção de ca­da um de nós con­ti­nua a ser fun­da­men­tal pa­ra ul­tra­pas­sar a si­tu­a­ção em que nos encontramos.

Deixamos uma pa­la­vra de agra­de­ci­men­to às en­ti­da­des que apoi­a­ram e es­ti­ve­ram re­pre­sen­ta­das no lo­cal: CGTP-IN, Interjovem, FENPROF, SPGL, SPRC, SNESUP, Grupo Parlamentar do PCP, Grupo Parlamentar do BE.

A ABIC con­ti­nu­a­rá a lu­tar pe­la re­vo­ga­ção do EBI e pe­lo fim da pre­ca­ri­e­da­de no tra­ba­lho científico.

Direitos no tra­ba­lho! Dignidade na Ciência!

Concentração Nacional de Trabalhadores Científicos – 14/​11/​2017 – AR