Concentração em frente ao CRUP (02/​05/​2018)


Estivemos jun­to à se­de do CRUP em Lisboa on­de se exigiu: 

- A apli­ca­ção do DL57/​2016 (al­te­ra­do pe­la Lei 57/​2017) com a aber­tu­ra dos con­cur­sos (que de­ve­ri­am ter si­do aber­tos até 31 de de­zem­bro de 2017) até 31 de maio, fi­can­do ape­nas pa­ra a se­gun­da fa­se os con­cur­sos pa­ra aque­les que só nes­sa al­tu­ra se­rão abran­gi­dos, ga­ran­tin­do, em qual­quer ca­so, que ne­nhum dos abran­gi­dos pe­las con­di­ções da Norma Transitória fi­ca­rá sem aber­tu­ra de concurso.

– A apli­ca­ção efe­ti­va do PREVPAP aos mi­lha­res de in­ves­ti­ga­do­res (dou­to­ra­dos ou não), do­cen­tes e não do­cen­tes que pre­en­che­ram os seus pe­di­dos de re­gu­la­ri­za­ção do vín­cu­lo e que tra­ba­lham há vá­ri­os anos nas ins­ti­tui­ções, não con­fun­din­do pe­río­dos de fi­nan­ci­a­men­to com fun­ções exercidas.

– Melhores con­di­ções de tra­ba­lho pa­ra os dou­to­ran­dos que, quan­do con­cor­rem à bol­sa de dou­to­ra­men­to, in­di­cam a ins­ti­tui­ção de aco­lhi­men­to, vin­do a des­co­brir de­pois que du­ran­te es­se pe­río­do não têm se­quer di­rei­to a um pos­to pa­ra tra­ba­lhar (mes­mo no ca­so dos pro­gra­mas dou­to­rais). Em mui­tas ins­ti­tui­ções, não têm tam­bém o di­rei­to de ter ao seu dis­por o re­ma­nes­cen­te do va­lor das pro­pi­nas pa­go pe­la FCT e têm ain­da de pa­gar ma­trí­cu­la e ta­xas va­ri­a­das, al­go que é con­trá­rio ao pró­prio re­gu­la­men­to de bolsas.