A cronologia do vazio


Hoje, 13 de de­zem­bro de 2017, cum­prem-se 100 di­as de va­zio. Cem di­as sem um úni­co con­cur­so pa­ra que os bol­sei­ros pos­sam pas­sar a tra­ba­lhar com um con­tra­to de trabalho.

 

Há dé­ca­das que, em Portugal, a Ciência es­tá sus­ten­ta­da pe­lo tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­do­res que à luz da lei não são con­si­de­ra­dos tra­ba­lha­do­res. São bol­sei­ros, a quem os su­ces­si­vos go­ver­nos fa­zem o fa­vor de atri­buir sub­sí­di­os de ma­nu­ten­ção men­sal. A 29 agos­to de 2016 foi pu­bli­ca­do o de­cre­to (DL57) des­ti­na­do a es­ti­mu­lar o em­pre­go ci­en­ti­fi­co e tec­no­ló­gi­co, que é cha­ma­do pos­te­ri­or­men­te pa­ra (re)apreciação na Assembleia da República (con­cluí­da a 11 de maio de 2017). A 19 de ju­lho de 2017 é fi­nal­men­te pu­bli­ca­da a Lei 57/​2017, que al­te­ra o DL57. Daqui de­ve­ria ter re­sul­ta­do a aber­tu­ra de con­cur­sos pa­ra a con­tra­ta­ção de dou­to­ra­dos até 31 de de­zem­bro de 2017. Desde o iní­cio do pro­ces­so até ao dia de ho­je, o nú­me­ro de bol­sei­ros sem bol­sa con­ti­nua a au­men­tar e os con­cur­sos con­ti­nu­am sem abrir.

Hoje, 13 de de­zem­bro de 2017, cum­prem-se 100 di­as de va­zio. Cem di­as sem um úni­co con­cur­so pa­ra que os bol­sei­ros pos­sam pas­sar a tra­ba­lhar com um con­tra­to de tra­ba­lho. Marcam-se, tam­bém, os 321 di­as des­de a en­tra­da em vi­gor do “re­gi­me de con­tra­ta­ção de dou­to­ra­dos des­ti­na­do a es­ti­mu­lar o em­pre­go ci­en­tí­fi­co e tecnológico”.

A ca­da dia que pas­sa, há uma bol­sa que ter­mi­na, há um bol­sei­ro no lim­bo le­gal de não es­tar de­sem­pre­ga­do, por­que em­pre­ga­do não era, mas no in­fer­no re­al de es­tar sem re­mu­ne­ra­ção, há um con­cur­so por abrir e mais uma pro­mes­sa por cumprir.

A 14 de no­vem­bro de 2017, na Assembleia da República, o mi­nis­tro Manuel Heitor dis­se que deu “ori­en­ta­ções ex­pres­sas à FCT [Fundação pa­ra a Ciência e a Tecnologia], que no qua­dro do fi­nan­ci­a­men­to plu­ri­a­nu­al às Unidades de Investigação de­ve­ria re­sol­ver to­dos os ca­sos de even­tu­ais bol­sei­ros que aca­bas­sem as bol­sas, en­tre­tan­to, e pe­lo fac­to de os con­cur­sos não es­ta­rem aber­tos, pa­ra te­rem o fi­nan­ci­a­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra não se­rem de for­ma al­gu­ma afe­ta­dos por atra­sos pon­tu­ais na aber­tu­ra dos con­cur­sos”. Perante a fal­ta de res­pos­ta da FCT, a 27 de no­vem­bro de 2017 a Associação de Bolseiros de Investigação Científica pe­diu um es­cla­re­ci­men­to ao mi­nis­tro, que res­pon­de, no pró­prio dia, com có­pia do des­pa­cho des­sas “ori­en­ta­ções ex­pres­sas”, com da­ta de 27 de no­vem­bro e as­si­na­tu­ra di­gi­tal do mi­nis­tro. Membro do Ministério do Tempo, Manuel Heitor as­si­na no fu­tu­ro o que de­cla­rou as­si­nar no pas­sa­do. Não só o faz, co­mo al­te­ra o seu tex­to pa­ra “re­co­men­da-se que a FCT ado­te a ori­en­ta­ção es­tra­té­gi­ca de ga­ran­tir a ele­gi­bi­li­da­de das des­pe­sas que per­mi­tam às ins­ti­tui­ções al­can­çar as so­lu­ções ade­qua­das ao fi­nan­ci­a­men­to dos dou­to­ra­dos cu­ja re­la­ção con­tra­tu­al te­nha, en­tre­tan­to, cessado”.

Terá o mi­nis­tro fal­ta­do à ver­da­de? Claro que fal­tou. Mas qual ver­da­de? A con­for­mi­da­de do di­to com o fei­to? Mesmo pa­ra um vi­a­jan­te no tem­po is­so po­de não ser fá­cil de re­sol­ver, pois cons­ta que o re­gres­so ao fu­tu­ro é atri­bu­la­do. Por is­so exi­ge-se uma so­lu­ção sim­ples e li­vre de pa­ra­do­xos no es­pa­ço-tem­po: cum­prir o pro­me­ti­do e a lei.

Mas exis­tem ou­tros va­zi­os que im­por­ta pre­en­cher: a ine­xis­tên­cia de no­vos pro­je­tos; a au­sên­cia de no­vas con­tra­ta­ções de dou­to­ra­dos — 2017 é o pri­mei­ro ano, em mui­tos, em que não hou­ve ne­nhum con­cur­so pa­ra a con­tra­ta­ção de dou­to­ra­dos; e o va­zio da ava­li­a­ção das Unidades de Investigação, de cu­jos re­sul­ta­dos de­pen­de o fi­nan­ci­a­men­to das ins­ti­tui­ções nos pró­xi­mos anos.

É ur­gen­te que o es­tí­mu­lo ao em­pre­go ci­en­tí­fi­co e tec­no­ló­gi­co se con­cre­ti­ze por­que, até ago­ra, ape­nas te­mos as­sis­ti­do à su­ces­são de um va­zio re­ple­to de ca­os, in­jus­ti­ça e desesperança. 

Associação dos Bolseiros de Investigação Científica

 

Artigo pu­bli­ca­do no jor­nal Público a 13/​12/​2017

https://​www​.pu​bli​co​.pt/​2​0​1​7​/​1​2​/​1​3​/​c​i​e​n​c​i​a​/​o​p​i​n​i​a​o​/​a​-​c​r​o​n​o​l​o​g​i​a​-​d​o​-​v​a​z​i​o​-​1​7​9​5​7​2​4​?​p​a​g​e​=​/​o​p​i​n​i​a​o​&​a​m​p​;​p​o​s​=​1​&​a​m​p​;​b​=​l​i​s​t​_​o​p​i​n​ion